Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade
ACEITAR E FECHAR
 
  •  
     

    Irmã Loris Trevisol - 35 Anos de Vida Consagrada

    COMO CRISTO ENTROU NA MINHA VIDA?

    Testemunhos

    15.03.2021 16:57:36 | 4 minutos de leitura

    Irmã Loris Trevisol - 35 Anos de Vida Consagrada


    Sou Irmã Loris Trevisol, de Boa Vista do Sul - RS, nasci no dia 04 de abril de 1964. Meu pai se chama Augusto Trevisol e minha mãe Osmilda Riva Trevisol.

    Poderia dizer que Cristo entrou na minha vida de uma forma muito ordinária como em nossos jovens que vivem nos bairros, nas comunidades. Era uma jovem normal que frequentava a escola, a catequese, a missa, tinha meu grupo de amigos...

    Não teve nenhum evento fulgurante que despertou minha vocação, mas foi a vida de cada dia, meus irmãos que já estavam na casa de formação, no seminário; as constantes visitas das irmãs – Ir. Anna Maria Benedetti, promotora vocacional –, e dos padres Pobres Servos que me fizeram encontrar Jesus de uma forma muito prática. Posso dizer que a oração diária do terço, a leitura da Palavra de Deus em família, a participação à missa, na liturgia da Palavra aos domingos, os encontros vocacionais... foram os ingredientes que fizeram perguntar-me: Mas, o que quero da minha vida? O que farei da minha vida?

    Fazendo um percurso dentro de mim mesma, viajando no meu coração, fui entendendo qual era o meu lugar no mundo e na Igreja, descobrindo coisas lindas, assim como, sombras que não queria encontrar, e, com este caminho fui entendendo o que Jesus estava me pedindo e me disse: esta é a minha estrada.

    Inicialmente, minha família não me apoiava muito, pois dois irmãos já estavam fazendo um caminho de discernimento no Seminário e parecia ser uma grande perda a minha saída. Mas aos poucos se convenceram, com a ajuda das irmãs, que deveria deixar sua filha na liberdade de escolha. Meus pais, vendo-me serena ao iniciar o caminho de formação perceberam que não estava perdendo a filha e que a mesma não se perderia. Considero minha família um lugar importantíssimo, pois lá cresci, aprendi a fé e quando a deixei não foi porque a abandonei, mas porque daquele momento começaria a caminhar sozinha, também se caminhar só me causava medo.


    Depois da profissão religiosa continuei a perguntar-me: O que estou fazendo aqui? Por que eu existo? Me perguntava sobre as motivações profundas que me levavam a estar naquela missão, naquela comunidade, com aquelas irmãs, naquele País. Ainda hoje me pergunto: Sou irmã de verdade do jeito que Jesus quer? Sinto que Deus me concedeu um grande dom com a vida consagrada.

    Ao longo da minha caminhada como consagrada, se tenho de pensar em um período particular, destaco aquele que vivi na Angola como missionária junto àquele povo festivo, mas também sofrido por tantas calamidades. Encontrei muitos rostos e a mensagem que me acompanhava era “tive fome e me deste de comer, tive sede e me deste de beber...” e isso foi motivo para continuar gastando minha vida com Ele. Encontrei também muitas irmãs, irmãos da Obra que foram para mim um farol e hoje sinto que Jesus me chama a ser luz, a fazer brilhar a sua luz em mim e a irradiá-la aos que me rodeiam.

    Histórico das Missões:

    1984-1985: Noviciado na Mater Dei, Farroupilha/RS – Brasil.
    1986-1987: Comunidade Santa Toscana, Verona – estudos teológicos.
    1988-1989: Comunidade de São Zeno in Monte – estudos teológicos, atividade de reforço escolar na comunidade de São Benedetto - Verona.
    1989-1997: Casa de Formação Mater Dei – Farroupilha/RS– Brasil.
    1997-1999: Comunidade Maria Imaculada – Roma, curso de espiritualidade no Teresianum.
    1999-2001: Comunidade Rainha do sertão, e diretora da Escola Artesanal Sertão Central – Quixadá/CE – Brasil, Coordenadora da Pastoral Catequética Diocesana.
    2002-2003: Professora de Ensino Religioso no Colégio Mae de Deus – Porto Alegre/RS – Brasil e Coordenadora da Pastoral escolar no Colégio Notre Dame – Canoas/RS – Brasil (como externa), frequentei o curso de Pastoral escolar em São Leopoldo.
    2004-2017: Comunidade Mae da Providencia, Luanda, diretora do Complexo Escolar Divina Providência Nº 8037 – Luanda – Angola, economa da delegação.
    2018-2019: Comunidade Maria Imaculada – Roma, curso de missiologia na Gregoriana.
    2019: Comunidade Mãe da Providência e diretora operacional do Centro Social Mae da Providencia – Feira de Santana Bahia – Brasil.
    A oração que faço ao Senhor é que continue me guiando, pois me sinto muito indigna na missão que me confiou e lhe peço que me ajude a cumprir, do melhor modo, a missão que a Congregação me confia, hoje.
    Meu apelo aos jovens é que não tenham medo de aceitar o desafio de responder ao chamado de Cristo colocando-se a serviço dos mais pobres, pois é muito gratificante. Juntem-se a nós na difusão do Carisma de anunciar Deus Pai providente em pleno abandono nas suas mãos.

    Fonte: Revista A Ponte, Ed. 1, 2021.
    Mais em Testemunhos
     

    Copyright © Pobres Servos da Divina Providência.
    Direitos reservados, acesse a política de privacidade.