Ex-Seminaristas

Em ordem cronológica, foi este o primeiro grupo que nasceu, tanto na história da Obra, como no Brasil. O Pe. Calábria sempre teve um carinho especial, desde os primeiros tempos, para com os Buoni Fanciulli , que uma vez formados nas Casas da Obra, começavam uma vida própria de trabalho na família e na sociedade. Ele os acompanhava com interesse, recomendava que voltassem em seguida na Casa onde se formaram, para visitá-lo e para reabastecer-se da espiritualidade que tinham recebido. Escrevia cartas para eles, animando-os a serem fiéis a sua fé de cristãos e ao espírito da Obra, recebido na Casa.

Mais tarde, tendo aumentado o número dos Ex e não podendo mais acompanhá-los pessoalmente, fundou um boletim: LAMICO, com a finalidade de comunicar notícias da Casa e continuar a formação. Com o tempo passou para o formato de Revista, tornando-se oficial para a Obra toda.

A partir de 1961, quando a Obra calabriana chegou ao Brasil até hoje, conta com um número muito elevado de Ex-alunos, que se formaram nas Casas: Centro de Educação Profissional São João Calábria (POA), Seminário Apostólico Nossa Senhora de Caravaggio (Farroupilha), CPIJ de Restinga, COV (POA), COV de Feira de Santana, COV de Campo Grande (MS), Lar do Menor (MA), Centro Educacional São José Operário de São Luás (MA), COV de Marituba e outros.

Dando sequência ao caminho percorrido pelo Pe. Calábria, já foram dados bons passos no Brasil. Paralelamente com a Itália, aqui também foi criada uma revista, A PONTE, que nasceu no início da década de setenta. A primeira edição data de fevereiro e março de 1974. A sua finalidade prioritária é a mesma: manter os contatos com os Ex-alunos das nossas Casas. Embora ela se destine a um leitorado mais vasto, quer ser uma ponte de comunicação entre religiosos e leigos, especialmente Ex-alunos.