Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade
Aceitar Cookies
Recusar Cookies
 
  •  
     

    O Papa a empresários: o trabalho expressa e alimenta a dignidade do ser humano

    O Papa fala numa videomensagem no 57ª Encontro anual organizada pelo IDEA, Instituto de Desenvolvimento de Empresas da Argentina. O investimento olha para a família. Os subsídios são apenas uma situação provisória.

    15.10.2021 | 3 minutos de leitura

    O Papa a empresários: o trabalho expressa e alimenta a dignidade do ser humano

    Mariangela Jaguraba - Vatican News

    O Papa Francisco saudou, nesta quinta-feira (14/10), numa videomensagem, os participantes do 57° Encontro da Fundação Idea, Instituto de Desenvolvimento de Empresas da Argentina, e da União de Trabalhadores da Economia Popular. O evento teve início na última quarta-feira (13/10), em Buenos Aires, na Argentina, e prossegue até sexta-feira dia 15.

    Desde 1974, a Fundação Idea promove um colóquio anual de três dias com a participação de líderes empresariais nacionais e internacionais, funcionários do governo, acadêmicos, líderes de Organizações não-governamentais e líderes sindicais, para debater novas ideias e inspirar os líderes a tomarem medidas para transformar a realidade.

    "Espero sinceramente que seja um momento de verdadeiro intercâmbio que possa reunir a contribuição inovadora de empresários e trabalhadores que lutam por sua dignidade e por suas famílias", disse Francisco na mensagem de vídeo, recordando que muitas vezes se referiu "à nobre vocação do empresário que criativamente busca produzir riqueza e diversificar a produção, ao mesmo tempo em que torna possível a criação de empregos".

    O trabalho dá dignidade

    "Não me cansarei de me referir à dignidade do trabalho. É o trabalho que dá dignidade. Quem não tem trabalho, sente que lhe falta algo, falta-lhe aquela dignidade que o trabalho lhe dá, que unge de dignidade", sublinha ainda o Papa.

    Francisco reitera que não propõe "uma vida sem esforço ou que despreza a cultura do trabalho". "Imagine se isso pode ser dito de um descendente de piemonteses, que não vieram ao nosso país com vontade de serem mantidos, mas com um enorme desejo de arregaçar as mangas para construir um futuro para as suas famílias. É curioso, os migrantes não colocaram o dinheiro no banco, mas nos tijolos e na terra. A casa, a primeira coisa. Eles olhavam adiante para a família. Investimento familiar. "

    O trabalho expressa e alimenta a dignidade do ser humano, permite-lhe desenvolver as capacidades que Deus lhe deu, ajuda-o a construir relações de intercâmbio e ajuda mútua, permite-lhe sentir-se colaborador de Deus para cuidar e desenvolver este mundo, faz com que se sinta útil à sociedade e solidário com seus entes queridos. É por isso que o trabalho, além do cansaço e das dificuldades, é o caminho do amadurecimento, da realização pessoal, que dá asas aos melhores sonhos.

    Não se pode viver de subsídios

    "Sendo assim, é claro que os subsídios só podem ser uma ajuda provisória", reitera o Pontífice.

    “Não se pode viver de subsídios, pois o grande objetivo é proporcionar fontes diversificadas de trabalho que permitam a todos construir seu futuro com esforço e engenho.”

    Por serem diversificadas, abrem o caminho para que as pessoas encontrem o contexto mais adequado para desenvolver seus próprios dons, já que nem todos têm as mesmas capacidades e inclinações.

    O Papa conclui a videomensagem, dizendo "que o diálogo entre empresários e trabalhadores não só é indispensável, mas também fecundo e promissor", e agradece aos promotores do evento por este debate que eles planejaram com um propósito tão nobre.

     

    Copyright © Pobres Servos da Divina Providência.
    Direitos reservados, acesse a política de privacidade.