Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade
Aceitar Cookies
Recusar Cookies
 
  •  
     

    Dom Gallagher na ONU: a humanidade quer um mundo sem armas nucleares

    Por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares, o Secretário das Relações com os Estados da Santa Sé fala na ONU e recorda como os gastos militares absorvem recursos que poderiam ser convertidos em ajuda

    29.09.2021 | 2 minutos de leitura

    Dom Gallagher na ONU: a humanidade quer um mundo sem armas nucleares

    Michele Raviart – Vatican News

    A humanidade exige urgentemente a abolição das armas nucleares e a comunidade internacional deve continuar seus esforços para livrar o mundo da ameaça de guerra atômica, dirigindo-se em particular aos líderes dos países com arsenais nucleares. Isto foi destacado por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação Total das Armas Nucleares, celebrado ontem em todo o mundo, por Dom Paul Richard Gallagher, Secretário para as Relações com os Estados da Santa Sé, em seu discurso na Assembléia Geral da ONU em Nova York para comemorar e promover as questões da nuclearização.

    A dissuasão contribui para o “status quo”

    Para a Santa Sé, há dois fatores que contribuem para manter o “status quo” nuclear e afastar o desarmamento. Por um lado, há a política de dissuasão ou desencorajamento, "que leva a uma corrida armamentista e gera uma tecnologia desumanizante que sustenta e agrava a desconfiança entre as nações". De fato, como o Papa João XXIII escreveu na Pacem in Terris, a paz não consiste em uma distribuição justa de armamentos, mas somente na confiança mútua.

    Reduzir as despesas militares e aumentar o desenvolvimento

    Por outro lado, há o gasto exorbitante de alguns Estados no desenvolvimento e produção de arsenais nucleares, "uma fonte de crescente desigualdade tanto dentro das nações como entre elas". "À medida que enfrentamos uma pandemia global de natureza incerta e os efeitos da mudança climática global pioram", diz Gallagher, "os Estados devem reduzir seus gastos militares no interesse de atender às necessidades humanitárias e às exigências de nossa casa comum". Como foi recordado na Fratelli tutti do Papa Francisco, o objetivo deve ser o de converter os gastos militares para um fundo global para promover o desenvolvimento dos países mais pobres.

    Instrumentos diplomáticos para o desarmamento

    A Santa Sé também felicita os 122 Estados membros que votaram há quatro anos para adotar o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares, que entrou em vigor em janeiro passado, e encoraja os Estados ainda relutantes em assinar este importante acordo. Reitera-se também aos países com armas nucleares para que apoiem o esforço de desarmamento com base no Tratado de Não-Proliferação.

     

    Copyright © Pobres Servos da Divina Providência.
    Direitos reservados, acesse a política de privacidade.